Abandono de cadáveres e de moribundos em Macau, séc. XIX

The redoubt of St. Peter, Praia Grande, Macao. 1830. George Chinnery
The redoubt of St. Peter, Praia Grande, Macao. 1830. 
George Chinnery

Occorrencias policiaes de 6 a 13 de Julho de 1872: (...) Appareceram em differentes pontos da cidade 11 cadaveres chinas, sendo 2 de crianças; que foram enterrados, depois de cumpridas as formalidades do costume.

Boletim da provincia de Macau e Timor, 13 de Julho de 1872.

Ofícios do Governador de Macau, António Sérgio de Sousa, para o superintendente da emigração chineza e procurador dos negócios sínicos

Nº 50. Ill.mo sr.- Tendo apparecido no anno ultimo um grande numero de cadaveres abandonados nas ruas d´esta cidade, e podendo attribuir-se que parte d´elles são provenientes dos estabelecimentos de emigração; ordena S. Ex.ª o Governador que v. sª previna os encarregados dos referidos estabelecimentos, de que provando-se, que por negligencia dos seus empregados, sejam abandonados quaesquer emigrantes invalidos, em logar de efectuarem a sua repatriação, como lhes cumpre, será o estabelecimento em que tal facto se der, immediatamente fechado, alem de qualquer procedimento judicial que porventura haja a promover contra aquelles que praticarem similhante acto de deshumanidade. Deus guarde a v. sª. Secretaria do governo de Macau, 16 de Janeiro de 1872. Henrique de Castro, secretario geral

Nº 51. Illmo sr. - Conhecendo-se pela estatistica obituaria do anno findo, terem apparecido um grande numero de cadaveres abandonados nas ruas d´esta cidade, e não podendo attribuir-se este facto senão ao costume dos chinas pobres abandonarem os moribundos; ordena S. Ex.ª o Governador que v. s.ª recommende aos cabeças de ruas, que quando encontrarem cadaveres abandonados, não se limitem só a participar similhante facto á policia, para serem enterrados, mas sim que procedam ás mais minuciosas investigações, a fim de se conhecer por quem foram expostos; fazendo v. s.ª bem publico, que serão castigados aquelles que pratiquem o acto deshumano de abandonar os enfermos, ou de depositar os cadaveres na rua, para se eximirem a enterral-os. Deus guarde a v. s.ª - Secretaria do governo de Macau, 16 de janeiro de 1872. Henrique de Castro, secretario geral

Boletim da Provincia de Macau e Timor de 29 de Janeiro de 1872.

Resposta da Procuratura dos negocios sínicos ao Governador, o Conde de S. Januário (Januário Correia de Almeida)

Nº 249. III.mo sr. - Tenho a honra de passar ás mãos de v. s.ª pedindo se digne fazer presente a S. Ex.ª o Governador o incluso mappa do movimento dos doentes no hospital china provisorio creado por ordem do mesmo Ex.mo Sr. para recolher os doentes encontrados nas ruas em estado de abandono. O hospital começou a receber doentes no meado de junho passado. Parece muito grande a mortalidade, mas ha a attender que todos os doentes recolhidos são desgraçados, a quem a familia abandonou na rua nos paroxismos da morte para poupar as despezas do enterro, ou fumistas d´opio, que reduzidos á ultima miseria cahem extenuados, e muitos para mais se não levantarem. Anteriormente á creação deste hospital eram estes doentes recolhidos em uma barraca de palha, onde lhe faltavam todos os recursos da medicina e até o comer, e d´onde geralmente nenhum sahia vivo. Comparado este estado de cousas com o actual vê-se que o hospital provisorio, com quanto não reuna todas as condições de um bom hospital, tem conseguido arrancar da morte algumas pessoas, que d´outro modo a teriam inevitavel. Para o futuro terei a honra de enviar mensalmente um mappa do movimento dos doentes a essa secretaria. Deus guarde a v. s.ª - Macau, 31 de agosto de 1872. - Ill.mo sr. Henrique de Castro, secretario geral. - Julio Ferreira Pinto Basto, procurador.

Boletim da provincia de Macau e Timor, 7 de Setembro de 1872.
Enviar um comentário