Na penumbra dos pagódes

templo de Lin Fong 23Como são as orações dos chineses nos pagodes? Dificil é dizer, na verdade. Em primeiro lugar, pelo desconhecimento da língua, e em segundo lugar, porque eles não se prestam, fàcilmente, a transmitir-nos certas particularidades íntimas do seu modo de ser, com receio que os redicularisemos. Entretanto, valendo-nos da amabilidade duma pessoa amiga muito em contacto com a vida chinesa de Macau, aproveitamos a oportunidade para arquivar o texto que nos foi apresentado, como a principal oração que os chinas dirigem aos espíritos bons, quando presisam um grande favor,

Hómê-tó-fat-san-cam-sec 
Siong-hou-Kong-fú 
Mou-tang-lan 
Pac-hou-iung 
Si-tó-cam-mok 
Cheng-chang-si-toi-hoi 
Cong-chung-fá-fat 
Mou-sou-iat -fá-Pou-sat 
Chung-iec-mou-pin 
Sipa-pat-iung-tou-chung-sang 
Tó-chung-cau-pan-ham-lang 
Pai-pei-ong 
Ná-mó-sai-fong-cat-loc-sai-cai-tai-chi-tai-pei

Hómê-tó-fat 
Ná-mó-kung-sai-iam-Pó-sat 
Ná-mó-kung-sai-iam-Pó-sat 
Ná-mó-tai - sai-chi-Pó-sat 
Ná-mó- tai-sai-chi-Pó-sat 
Nd-mó-tai-sai-chi-Pó-sat 
Ná-mó-cheng-chieng-Pó-sat 
Ná-mó-cheng-chieng-Pó-sat 
Ná-mó-cheng-chieng-Pó-sat 
Kau-pan-lin-fá- wai-fú-mou-fá-hoi-kiu-fat-iung- mou-sang-pat-hoi-Pó-sat-wai-pund-lei. 

Hómê-tó-fat e Mou-sou-iat-fá-Pou-sat, são nomes de divindades invocadas. Quanto à tradução desta oração, cuja transcrição para a nossa língua já é susceptível de erros insuperáveis, devido à impossibilidade de reproduzir na nossa pronúncia os tons musicais da língua chinesa -como melhor forma que encontramos para exprimir esta dificuldade - não passa duma tentativa de reprodução da ideia que encerra, em conseqüência da forma como chegou ao nosso conhecimento. 

A ideia, parece ser esta: Hómê-tó-fat, pensai bem no serviço que vos é implorado, Oh vós, que alumiais sem luz, que ides tão longe, empunhando o cerro doirado, boiando pelo grande mar! Vós, Mou-sou-iat-fá-Pou-sat, luz natural, que nascestes sem asas nem cauda mas que passastes, voando, por dezoito jardins, até chegar à montanha onde viestes a éste mundo, fazei acabar todas as armarguras no maior socego. Peço por todo o mundo Presente, grande paz e grande harmonia.

As preces repetidas três vezes, são rogos dirigidos a reis mortos, pedindo protecção. A parte final era uma espécie de invocação a Kun-lam -a deusa da Misericórdia- para que ela fizesse abrir tôdas as flores de lotus que, contemplando o Santo, o fizessem vir em nosso auxilio. A interferência da flor de lotas é explicada pelo facto de a lenda dizer que a Santa Maria China do Pagode da Barra, veiu ali ter boiando sôbre o Iotus, a flôr mística do Oriente. 

Tudo isto foi dictado por uma religiosa ou bonza chinesa - acrescentam as informações que nos foram prestadas - e tudo se esvae na indecisa penumbra dos Pagodes...

Cênas da Vida de Macau de Jaime do Inso. 1927 (apud Cadernos Coloniais, nº 70, 1950)

Imagem do Templo de Lin Fong
Enviar um comentário