Altar no Pátio do Além-bosque

Pátio do Além-bosque Pátio do Além-bosque 
Pátio do Além-bosque Pátio do Além-bosque 
Pátio do Além-bosque Pátio do Além-bosque

Houve um d’estes dias uma procissão chineza, que não pude saber que memorava. N’essa procissão figuravam as mesmas bategas, as mesmas musicas, andores com creanças vestidas phantasticamente e em posições difficeis, grandes dragões ameaçando engulirem céus e terra, muitas bandeiras e estandartes, muita concorrencia e enthusiasmo. Geralmente os chinas não fazem estas solemnidades religiosas senão, ou para celebrarem a inauguração de templos e pagodes, ou como procissões de preces e penitencia para conjurarem perigos, afastarem epidemias, solicitarem chuva, etc., etc. Não são annuaes e periodicas, como entre nós. 

No Oriente, de Napoles á China (diario de viagem), Adolpho Loureiro. 1896
Enviar um comentário