Tinta divina da China

R. Mercadores R. Mercadores 
R. Mercadores R. Mercadores 
R. Mercadores
Rua dos Mercadores

Empregão frequentemente os chins uma invenção diabolica. Fazem uma especie de papel, que dura o tempo que se quer por meio d´uma ligeira saturação de certo liquido: é tal a sua virtude magica (de que nada faz desconfiar), que no fim de outo, quinze dias, um mez, fica o papel reduzido a pó. Assim desapparece no praso que se deseja uma obrigação pecuniaria, um compromettimento d´honra, uma declaração d´amor. 

É a isto que os chins dão o nome de tinta divina. Duvido muito que escrevendo com ella se ganhe o céu. O que parece impossivel é que o governo não exerça alli toda a severidade contra os que por tal modo abusão da boa fé!

Almanach de lembranças Luso-Brasileiro para o anno de 1861.
Enviar um comentário